Catalog - Planomalina mauryae Catalog - Planomalina mauryae

CATALOG OF ORIGINAL DESCRIPTIONS: Planomalina mauryae Petri 1962

This page provides data from the catalog of type descriptions. The catalog is sorted alphabetically. Use the current identification link to go back to the main database.


Higher levels: pf_cat -> P -> Planomalina -> Planomalina mauryae
Other pages this level: P. alvarezi, P. apsidostroba, P. blowi, P. caseyi, P. ehrenbergi, P. maridalensis, P. mauryae, P. mendezensis, P. praebuxtorfi, P. pulchella, P. rowei, P. saundersi, P. yaucoensis

Planomalina mauryae

Citation: Planomalina mauryae Petri 1962
taxonomic rank: Species
Described on page(s) : 116-7
Type specimens: XVI, fig. 1-4

Current identification/main database link: Planohedbergella aspera (Ehrenberg, 1854)


Original Description

Testa livre, planospiral, profundamente biumbilicada, involuta a parcialmente evoluta; esboço lobulado. Câ­maras esféricas, com tendência a se prolongar para a região umbilical, em número de 5 a 7 na última volta do corpo, sendo 6 o número mais comum. Suturas radiais, retas e profunda­ mente deprimidas. Periferia arredondada. Parede calcária, finamente perfurada com superfície rugosa, onde se notam pe­quenas projeções espinhosas. Abertura equatorial (V . Bolli, Loeblich e Tappan 1957, p. 14), interiomarginal, constituída por um largo e baixo arco na base da câmara, estendendo-se de um umbilico para o oposto, passando pela periferia e com ex­ tensões laterais dirigidas, posteriormente, para a região umbi­lical; esta abertura é circundada por um lábio proeminente, virado para cima; as porções umbilicais das aberturas das câ­ maras anteriores permanecem como aberturas suplementais, juntamente com seus lábios proeminentes depois das câmaras sucessivas terem coberto as porções principais dessas abertu­ ras.

Size:
Espécimes figurados: 1) Diâmetros 0,33 mm e 0,25 mm; espessura 0,17 mm. 2) Diâmetros 0,31 mm e 0,28 mm; espessura 0,14 mm. 3) Diâmetros 0,28 mm e 0,21 mm; espessura 0,13 mm. 4) Diâmetros 0,26 mm e 0,22 mm; espessura 0,13 mm. O diâmetro, em geral, tende a se situar entre 0,26 mm e 0,28 mm.

Etymology:
A espécie é dedicada a Dra. Carlotta Joaquina Maury a qual trouxe contribuição inestimável ao conhecimento do Cretáceo do Nordeste com suas valiosas monografías sobre os macrofósseis desta região.

Extra details from original publication
Observações — As “aberturas relíquias” das câmaras na região umbilical são bem visíveis em nossos exemplares, principalmente nos provenientes da sondagem de Aracaju. Êste caráter é típico do gênero Planomalina. Segundo Bolli, Loeblich e Tappan (idem, p. 23), Planomalina difere de Biglobigerinella Lalicker, por possuir “aberturas relíquias” extremamente proeminentes e possuir uma única abertura primária. Raros exemplares de nossa coleção mostram abertura primária dupla e ocasionais subdivisões das câmaras (Est. XVI, fig. 2) Esta abertura dupla está, contudo, disposta na região equatorial e não lateralmente como em Biglobigerinella. Esses raros exemplares anômalos mostram que êsses dois gêneros estão intim am ente relacionados; aliás êsse é o ponto de vista dos autores acima que os colocam na subfamilia Planomalininae.

Brõnnimann (1952, p. 42-52) descreveu muitas formas de Trinidad, com o nome de Globigerinella. Êsses estudos foram continuados por Bolli (1959 p. 259-263) Devido à relativa proximidade geográfica com o Cretáceo de Sergipe, procuramos comparar essas formas com nossa Planomalina. Infelizmente não verificamos nenhum ponto de semelhança entre as formas de Trinidad e as de Sergipe.

A nossa espécie difere da forma típica de “Globigerinellamessinae Brõnnimann, por ser menos deprimida e pelo esboço mais arredondado das câmaras. A diferença na forma das câmaras se ressalta mais na vista apertural. Em relação à variedade subcarinata da mesma espécie, a diferença é ainda mais marcante.

Ela também diferencia-se de “Globigerinellaescheri (Kaufmann porque a tendência para a testa se tornar evoluta é menos desenvolvida, a testa é menos deprimida não havendo a compressão lateral das câmaras bem visível nas vistas aperturáis de “G” escheri (Kaufmann). Além disso, o aumento do tamanho das câmaras é mais brusco, a superficie da testa é mais rugosa e a abertura mais distinta na nossa especie. A forma de clava das câmaras da variedade clavata de “G” es­ cheri afasta-a prontamente da espécie sergipana.

Ela difere de “G”. tururensis Brõnnimann, por ser mais circular em vista lateral com um esboço mais lobulado, aumen­to mais brusco das câmaras e pelas suturas radiais e não oblíquas como na forma de Trinidad.

A forma brasileira diferencia-se de Planomalina caseyi Bolli, Loeblich e Tappan, do Cretáceo Superior da América do Norte e da Europa, pelo número geralmente menor de câmaras por volta do corpo, as quais são mais infladas, aumento mais brusco das câmaras e pela parede rugosa.

A nossa espécie é muito afim, se não coespecífica, a diversas formas descritas do Cretáceo Superior de grande número de localidades da Europa e América, com o nome de “Globigerinella” aspera (Ehrenberg) De acordo com Brõnnimann (idem, p. 48), “Rotalia” aspera Ehrenberg pode em parte, representar espécies de “Globigerinella” (= Planomalina) do Cretáceo Superior Contudo as descrições e as figuras de Ehrenberg são inadequadas e o nome aspera, portanto, não deveria ser usado a não ser quando o material de Ehrenberg for revisto e um lectótipo designado.

Cole (1938, p. 35, est. 4 fig. 5) cita e figura mas não des­ creve uma forma do Cretáceo de Flórida, como G. aspera (Ehrenberg) Ela provém da formação Selma, equivalente a formação Taylor do Texas, de idade campaniana (Schuchert 1943, p. 960) Esta forma parece ser um tanto mais involuta que a nossa.

Do Campaniano da Califórnia provém uma forma descrita e figurada por Bandy (1951, p. 508, est. 75, fig. 31) como Globigerinella aspera (Ehrenberg) Da mesma maneira como a forma de Flórida, ela parece ser um tanto mais involuta que a nossa. A forma de Minnesota descrita por Bolin (1956, p. 294, est. 39, fig. 9-11) como G. aspera (Ehrenberg), lembra nossa forma. Também aqui o fóssil provém de leitos do Santoniano-Campaniano (idem ,p. 285) Distingue-se de P. mendezensis Olvera, do Campaniano e Maestrichtiano do México por ser menos deprimida e pela forma mais esférica das câmaras (Olvera, 1959, p. 92, est. IV, fig. 9, 10, 11)

Ocorrência — Esta especie é muito comum em testemunho da sondagem de Aracaju, a profundidade de 96,50 m; cêrca de urna centena de indivíduos pôde ser coletado nêste testemunho. Ela é mais rara na sondagem Itatig 1, intervalo de 103-114 m e no afloramento tipo da Formação Calumbi, no km 438 da Viação Férrea Federal Leste Brasileiro (Al)

References:

Petri, S. (1962). Foraminiferos Cretaceous de Sergipe. Boletim da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Geologia. 265(20): 1-140. gs


logo

Planomalina mauryae compiled by the pforams@mikrotax project team viewed: 25-6-2024

Taxon Search:
Advanced Search

Short stable page link: https://mikrotax.org/pforams/index.php?id=131962 Go to Archive.is to create a permanent copy of this page - citation notes



Add Comment

* Required information
Captcha Image
Powered by Commentics

Comments

No comments yet. Be the first!